Explicações

Antes de qualquer coisa: quem nunca viu A Usurpadora, não viveu de verdade. Fato.

Olá!

FINALMENTE AS PROVAS ACABARAM :baba: Dessa forma, estou livre, leve e solta para fazer o que eu bem entender (lê-se: ler a obra completa da Virgínia Woolf e Intermitências da Morte, ficar no msn, planejar modelar coisas com Durepoxi e jogar O Poderoso Chefão no Xbox 360 – pois é), o que também inclui postar aqui com mais freqüência.

Como eu sou uma pessoa muito culta e antenada (sabe que eu percebi que as pessoas nunca sabem quando eu estou sendo irônica e quando eu estou falando a verdade? É bem desagradável, porque eu que fico parecendo retardada mental no final das contas. Acho que a partir de agora vou escrever {fui irônica}sempre que eu for irônica. Eu provavelmente vou esquecer e as pessoas vão continuar não entendendo, mas... Ah, dane-se. Prossigamos com o texto.)

O que eu queria dizer é que estava em dúvida sobre o que postar, porque eu queria falar sobre várias coisas. Depois de muito refletir {fui irônica}, decidi ir por partes e primeiro discorrer sobre o nome do blog. Ou só dar uma explicação simples (mentira) mesmo.

Tudo começou quando eu era apenas uma garotinha... Tá, foi ano passado.
No magnífico ano de 2007, eu tive o prazer de ler Ensaio Sobre a Cegueira, que por sinal achei o máximo e até hoje é um dos meus livros favoritos. Mas isso não vem tão ao caso. Anyways, me contaram que Meirelles estava fazendo o filme e tudo mais. Esse ano, como todos vocês sabem, lançou o filme e, como nem todos vocês sabem, eu fui ver e descobri que a Julianne Moore é um gênio (pois é, eu não sabia disso). Acabou que eu fiquei loucamente apaixonada por ela e decidi ver mais filmes com a Julianne. Eu já tinha visto filmes ótimos em que ela tem papéis coadjuvantes, mas nunca tinha percebido o quão absurdamente foda ela é. De qualquer maneira, minha mãe me indicou As Horas, que eu ainda não tinha visto, e alugou o filme pra mim.
...
Essas reticências foram empregadas ali porque eu não sei exatamente como descrever minha reação XD Então eu vou resumir dizendo que eu adorei demais e decidi ler Mrs. Dalloway (da Virgínia Woolf, que é um dos principais elementos do filme) e As Horas (do Michael Cunningham, em que foi baseado o filme - DÃÃÃ). Um dia talvez eu faça um post só sobre o filme e o livro, mas não hoje.
Enfim, prosseguindo com essa história aparentemente sem sentido: aí eu comecei a idolatrar a Virgínia, e fui procurar coisas sobre a vida dela. Dessa forma, descobri The Bloomsbury Group, um grupo de amigos que durou mais ou menos de 1900 até 1930. Pessoas como Virgínia, Bertrand Russel e E.M. Foster faziam parte dele, além de outros intelectuais e artistas menos conhecidos. Isso já era suficientemente legal, mas não parou por aí. Eles eram todos radicalmente contra a guerra, eram socialistas ou anarquistas, repudiavam o governo, acreditavam que o amor era a coisa mais importante, estando acima de qualquer convencionalismo, gênero ou aparência e defendiam a polifidelidade. Eles eram abertamente assim, e escreviam sobre tudo isso explícita e normalmente nos livros, como se fossem as coisas mais comuns do mundo(olhem novamente a data. Mega ênfase nela XD). De qualquer modo, não vou fazer um relatório imenso sobre o grupo, só escrevi isso pra vocês saberem que eu acho eles absurdamente legais e perfeitos, e de onde eu tirei o nome do blog. Agora vocês sabem *.*

Fim 8D

Só da história, não do post XD
Eu ainda tenho coisas a dizer, como “estou com sono”. E também que o vestibular da UFRJ foi fácil e até mesmo ridículo. Agora faltam as específicas, e depois delas eu descubro se passo ou não. O detalhe é que se eu passar não vai adiantar de porcaria nenhuma, porque, além de não poder entrar na faculdade sem ter terminado o Ensino Médio, eu não pretendo fazer UFRJ. Só mais uma coisa (porque eu tô realmente com muito sono e quero acabar esse post logo): SOCORRO. Agora as aulas do terceiro ano são das sete da manhã até às cinco da tarde, todo dia, e com provas aos sábados. Vou me matar, ok? :D

Pronto, era basicamente isso mesmo XD

Que a Lhama esteja com vocês!
Até! o/


PS: esse post ficou ridículo e chato, mas eu prometi pra quinze mil pessoas que iria postar até sexta-feira (hoje), então escrevi mesmo sem saco, porque sou uma pessoa honesta e de palavra, que sempre cumpre as promessas (H)
Eu, hein.

6 comentários:

Renata disse...

Agora tudo faz sentido para mim.
Foda(L)

E não vem que não tem, nunca vi A usurpadora e estou viva.

Fico te devendo a Lhama ok? não tenho nenhuma aqui comigo no momento.

:D
Kisus!
Au Revoir!
;**

Tüppÿ disse...

Sua avivida! u.u

Faber disse...

Será que a gente conta pra Renata que a vida dela não é tão intensa quanto poderia ser já que ela não assisitiu A Usurpadora ou a gente fica com essa sensaçãozinha gostosa de Eu Assisti e vivo intensamente e não conta nada pra ela? O que vc acha?

E, putz, precisamos conversar sobre a prova de geografia! O que vc achou? Da UFRJ, não da minha.

E o terceirão vai bombar ano que vem. Vai ser ótimo!!!

E eu já disse que me divirto lendo os seus textos? Sério. Muito. Fico rindo sozinho.

E eu quando quero ser irônico escrevo [ironic mode on]. Na verdade só escrevo isso quando eu quero ser notavelmente irônico. Ou seja, quando eu nao quero correr o risco de ser mal interpretado e passar por idiota.

E foi assistindo As Horas que me inspirei para escrever um texto no meu falecido blog que o weblogger já tirou do ar. Não lembro dele em detalhes mas o importante é que ele falava sobre felicidade e eu fazia referência a uma frase do filme (ou do livro, who knows?).

E As Intermitencias da Morte está no meu Top Ten.

Arthur disse...

Ai, gente inteligente me cansa. u.u

Feto disse...

AGORA TUDO ESTÁ TÃO CLARO! *_* (rs, só queria fazer uma referência tosca ao ensaio sobre a cegueira.)

caralho, vc vai ter aulas hein? o_O
pqp.
eu odiaria ter tantas aulas assim. ou acho que não, pensando bem. menos tempo pra ficar autistando em casa...
nhé, fico feliz de vc ter postado *_*.
que o formol esteja com você!

feto-bejo =*

V! disse...

muito grande, nem li tudo. mentira eu fiz leitura dinâmica. na verdade acho que dá na mesma... MAS ok, Virginia Woolf é fodona. se você comprar as Ondas TERÁ que me emprestar, tá ouvindo? *pAola*

Quem sou eu

Quem sou eu
Como a imagem acima mostra tão claramente, eu obviamente sou Shakespeare.